• E-mail: contato@scienteveritas.com.br

A S&V tem como missão, disponibilizar o acesso a uma educação de qualidade, popularizando o conhecimento por meio de plataformas digitais de ensino à distância. Nossa prioridade é a oferta de conteúdos acadêmicos de extensão, na modalidade Curso Livre

A S&V reconhece que para cumprir a sua missão necessita de agregar profissionais experientes em suas áreas de atuação, muitos deles docentes e pesquisadores universitários, mestres e doutores, que pensam de forma semelhante e que tenham princípios éticos colaborativos basilares de respeito às diferenças e à justiça social.

A S&V visa se tornar uma referência em suporte educacional de qualidade para professores, empresas, ONGs e faculdades, nos próximos 5 anos.

Nossos Cursos

Os cursos são oferecidos na modalidade Livre, não sendo necessária portaria de regularização. O certificado é válido em todo o território nacional.

Abelhas Nativas / Cursos on-line

Cursos sobre meliponicultura e conservação de abelhas, totalmente on-line

Saiba Mais

Abelhas Nativas / Painel Aperitivo

Um painel com conteúdo aperitivo gratuito dos cursos oferecidos

Saiba Mais

Nova Escola

Professor, temos soluções interessantes para o uso da plataforma EAD com seus alunos.

Saiba Mais

Cursos disponíveis em breve

Manufatura e Comercialização de Produtos das Abelhas Sem Ferrão

O curso aborda sobre técnicas de beneficiamento e comercialização dos produtos das abelhas de forma a atingir segmentos de mercado interessados em produtos naturais e sustent...

Saiba Mais

Gestão comunitária para reaplicação da tecnologia PAN

O curso visa oferecer as ferramentas necessárias para gerenciar projetos comunitários de meliponicultura comunitária

Saiba Mais

Parceiros

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam,

Artigos

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam,

Dia do Planeta Terra 2019 Foca na Extinção das Espécies

Por : João O Malheiros 21/04/2019

Uma data mundial voltada para a situação do nosso Planeta é o Dia da Terra (22 de abril) ou Dia do Planeta Terra.  Ele foi criado em 1970 pelo senador ambientalista estadunidense Gaylord Nelson, que morreu em 2005. Ele organizou o primeiro Dia da Terra, um fórum ambiental com a participação e mobilização em diferentes níveis de 20 milhões de pessoas, duas mil universidades, 10 mil escolas.


A ideia é um dia sem dono. Qualquer grupo de cidadãos ou mesmo indivíduos podem montar uma programação. Um site, o Earth Day (www.earthday.org) organiza a lista mundial de ações programadas. Há também a sugestão de um tema global, que neste ano será “Proteger nossas espécies”, e de um lema, “Ninguém está sozinho”.



A ONU resolveu em 2009 aderir ao Dia da Terra e adotou o dia 22 de abril como o Dia Internacional da Mãe Terra. O espírito da data continuaria o mesmo: problematizar a situação da vida no Planeta e a contribuição da humanidade para resolver os problemas e eliminar as ameaças aos ecossistemas e às espécies.



A campanha do Dia do Planeta Terra 2019 considera que está em curso uma onda de extinção de espécies e que muitas estão sendo ameaçadas. Há material disponibilizado para 14 grandes ameaçadas e a primeira espécie na lista da são as abelhas.


“As abelhas são uma espécie chave, com as outras espécies dependendo delas para sobreviver. Muitas espécies de animais dependem das abelhas para sua sobrevivência porque suas fontes de comida, incluindo nozes, bagas, sementes e frutos dependem da polinização por esses insetos”, diz entre outros argumentos o material do Dia do Planeta Terra 2019.


Visite o site www.earthday.org e pesquise mais sobre Dia da Terra, Dia do Planeta Terra e Dia Internacional da Mãe Terra, assuma uma atitude e promova uma ação. 

Saiba mais

22 de abril, um dia pelo fim da poluição dos plásticos

Por : João Otavio Malheiros 10/04/2018

"Dia da Terra, o que há para dizer".


No Dia da Terra, 22 de abril, a mais importante data do ambientalismo mundial, é anualmente promovida pelo www.EarthDay.org uma campanha por atitudes que solucionem os cada vez mais graves problemas do meio ambiente e que revertam o processo crescente que degradação da natureza. O tema central sempre vem do contexto, no qual se agravam perigosamente todas as causas da crise ambiental planetária e são raras as soluções concretas. Este ano, o Dia da Terra trata da poluição dos plásticos e a atitude que é cobrada dos governantes e de cada ser humano que habita nossa casa comum – a Terra, é que se promova imediatamente o seu fim.

Busca-se com o tema chamar a atenção de todos para um dos aspectos cruciais, ao lado do aquecimento global que vem elevando a acidificação das águas dos mares, da degradação da vida nos oceanos, onde a poluição por plásticos resulta em envenenamento e causa direta de morte das espécies marinhas. O problema é mais amplo: o lixo plástico é também jogado e deixado nas praias, nas ruas e nos rios, em todos os cantos, entupindo o fluxo dos resíduos e abarrotando os aterros sanitários. Enfim, o crescimento exponencial da poluição por plásticos está ameaçando a sobrevivência de nosso planeta.

 

O Dia da Terra 2018 sugere algumas tarefas para serem realizadas por quem queira agir nos diversos campos de atuação possíveis. Dentre elas: liderar e apoiar uma regulamentação internacional e global da poluição dos plásticos, para coibir, por exemplo, a exportação de lixo plástico de países ricos para os países pobres; e, educar e mobilizar os cidadãos para que exijam de seus governantes e das corporações que produzem os plásticos medidas que controlem e diminuam a poluição por plásticos. 

 

O ‘espírito’ do Dia da Terra, formatado em 1970 pelo seu criador Gaylor Anton Nelson, um precursor do ativismo ambientalista nos Estados Unidos, não é centralizar uma única ação, mas incentivar a iniciativa de pessoas, de grupos e de instituições de todos os tipos e em qualquer lugar, para que agir objetivamente, buscando alterar as tendências destrutivas e reverter os processos que colocam em risco nossa espécie em escala planetária. Aposta que o primeiro passo para a ação seja uma tomada de consciência da gravidade e da extensão dos problemas. E aponta para a capacidade humana de sempre resolvê-los. O que se fará, ao final, com a remoção de suas causas.

 

Mais informações: www.earthday.org (em inglês). 

**********************

Aproveite a ocasião para fazer um dos nossos cursos de sustentabilidade www.scienteveritas.com.br/cursos


Saiba mais

Jardins de Mel: Excelente ideia desde que feito com cuidado

Por : Murilo S Drummond 13/04/2019

Excelente iniciativa da Prefeitura de Curitiba tem chamado a atenção e que é o projeto Jardins de Mel*.


A proposta visa a implantação de ninhos de abelhas sem ferrão em áreas verdes do município. Além de dar melhores condições de sustentabilidade ao ecossistema local traz à tona a questão da conservação de nossas abelhas nativas, muitas vezes esquecidas na nossa história.


Apesar de louvável, há questões que devem ser consideradas em projetos desse tipo, caso algum outro município tenha interesse em replicar. Não basta simplesmente colocar os ninhos nas áreas públicas, sob pena da iniciativa acabar dando mais trabalho do que resultado prático. Segue então algumas dicas para a tomada de decisão correta:


a) Verificar quais as espécies são de ocorrência natural na área de implantação: O uso de espécies locais (tanto das abelhas como da vegetação), além de aumentar a chance de sucesso no projeto, evita futuros impactos na biodiversidade local.


b) Verificar se o ecossistema local oferece suporte adequado para as colônias: Suporte inclui quantidade de alimento (néctar e pólen) e cavidades adequadas para a nidificação. Isto permite que as espécies se auto sustentem sem depender da intervenção direta e permanente da prefeitura.


c) Implantar os ninhos gradativamente: A implantação gradual permite que se acompanhe o desenvolvimento do projeto sem a colocação excessiva de ninhos além da capacidade de suporte local.


Tendo estes cuidados se evita que o tema seja mais um explorado de forma midiática, o que não cabe neste caso, pois estamos tratando de coisa séria, a manutenção da dinâmica reprodutiva de nossos ecossistemas.


Para saber mais acesse o curso Biologia, Criação e  Conservação das Abelhas Sem Ferrão (https://scienteveritas.com.br/curso.php?c=58), ou Meliponicultura Conservacionista (https://scienteveritas.com.br/curso.php?c=7) e conheça técnica para avaliar a viabilidade de criação de abelhas sem ferrão em seu projeto de meliponicultura.

*Informações podem ser obtidas aqui (http://www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/jardins-de-mel/2944). 

Saiba mais